Tudo me é Lícito, Mas nem Tudo me Convém

“Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém” é uma frase extraída do ensino do apóstolo Paulo em 1 Coríntios 6:12. O significado dessa frase basicamente trata da liberdade cristã que deve estar em conformidade com a Palavra de Deus.

O versículo na integra que contém essa frase é o seguinte: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são permitidas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas” (1 Coríntios 6:12).

Por que Paulo escreveu “tudo me é lícito, mas nem tudo convém”?

A frase “tudo me é lícito, mas nem tudo convém”, aparece num contexto em que o apóstolo Paulo corrige os cristãos de Corinto. Alguns deles estavam adotando um comportamento completamente reprovável. Eles estavam se entregando à imoralidade e aos pecados sociais e ainda tentando se justificar com base num entendimento errado da liberdade cristã.

A cidade de Corinto pregava uma ideia de liberdade total, e alguns cristãos ainda estavam abraçando essa ideia. Um exemplo disto é que naquela época era comum que as pessoas se envolvessem em um tipo de prostituição religiosa. Fazia parte dos cultos pagãos o relacionamento sexual entre as sacerdotisas e os adoradores. Esse era exatamente o pano de fundo histórico que cercava os cristãos de Corinto.

Esse tipo de prática estava tão enraizado naquela sociedade, que era algo cultural. Festivais eram promovidos, e nos templos pagãos eram oferecidos grandes banquetes à população. Como parte dessas atividades, havia os rituais de prostituição.

Parece que alguns cristãos coríntios, mesmo depois de terem recebido o Evangelho, ainda continuavam envolvidos com essas práticas. Então Paulo fez uma exposição sobre a verdadeira finalidade do corpo, com o objetivo de indicar qual a visão cristã correta acerca do prazer. Basicamente o apóstolo indica que a finalidade última de nossos corpos é honrar a Deus. Ele também deixa claro que o corpo do cristão é templo do Espírito Santo.

O significado de “tudo me é lícito, mas nem tudo convém”

Muitas pessoas pensam que foi o apóstolo Paulo quem disse toda essa frase. Porém, essa frase expressa um argumento e um contra-argumento. Isso significa que nela o apóstolo responde uma argumentação de alguns coríntios.

Parece que o “tudo me é lícito” era como um tipo de lema usado por eles. Essa expressão aparece quatro vezes em 1 Coríntios (6:12; 10:23), mas não é possível determinar sua origem. Alguns estudiosos acreditam que talvez essa expressão tenha vindo dos filósofos gregos. De qualquer forma, o que sabemos é que membros da igreja de Corinto estavam se apoiando nela para explicar a liberdade cristã.

Então, em 1 Coríntios 6:12, Paulo emprega esse lema usado pelos coríntios e dá sua resposta apropriada. Observe a estrutura:

  • O argumento dos coríntios: Todas as coisas me são lícitas!
  • A resposta ao argumento: Mas nem todas as coisas são proveitosas!
  • Mais uma vez o argumento: Tudo me é lícito!
  • Outra resposta ao argumento: Mas eu não me deixarei dominar por nada!

Esse mesmo padrão segue-se no versículo 13, onde o apóstolo cita o que parece ser outro lema também utilizado por eles: “Os alimentos são para o estômago e o estômago para os alimentos”. E mais uma vez Paulo responde: “Mas Deus destruirá a ambos”.

Esse versículo 13 também demonstra algo interessante. Aparentemente os coríntios equiparavam a liberdade de poder se alimentar, com a liberdade para a prática sexual.

No entendimento deles, assim como o estomago precisa se satisfazer com o alimento, o corpo também precisa se satisfazer com o sexo. Isso significa que eles pensavam que o desejo pela imoralidade sexual era tão natural quanto o apetite por alimentos.

Com base nesse contexto, agora vamos analisar o argumento dos coríntios e a resposta dada por Paulo. Isso nos ajudará a entender mais claramente o significado da frase “tudo me é lícito, mas nem tudo convém”.

Tudo me é lícito

Alguns crentes pensavam que podiam fazer o que bem entendessem, já que eram livres em Cristo. Eles extrapolavam todos os limites e procuravam justificar seus pecados dizendo que tudo lhes era lícito. Os coríntios simplesmente estavam confundindo a liberdade com a libertinagem.

Eles não buscavam ter uma vida de santificação. Ao invés disto, eles se entregavam a toda natureza de imoralidade. No versículo 12, por duas vezes o apóstolo emprega e responde o lema “tudo me é lícito”.

Mas nem tudo convém

Essa é a primeira resposta de Paulo ao lema “tudo me é lícito”. A resposta “mas nem tudo convém” simplesmente significa “mas nem todas as coisas são proveitosas”. O apóstolo não fez questão de proibir esse lema, mas apresentou uma interpretação cristã correta sobre ele.

É interessante notar que o apóstolo não respondeu “mas nem tudo me convém”. Na verdade ele respondeu: “mas nem tudo convém”. Ele omite o referente, pois a prática pecaminosa muitas vezes não afeta apenas a nós mesmos, mas também ao nosso próximo. Claramente essa era a situação de alguns cristãos de Corinto.

Tudo me é lícito, mas eu não me deixarei dominar por nada

Uma vez mais o apóstolo repete o argumento “tudo me é lícito”. Aqui é fácil perceber o contraste entre tudo e nada. No idioma grego, Paulo faz uso de um trocadilho. Ele realmente concorda com a expressão “tudo me é lícito”, mas trata de colocá-la no lugar correto.

Na verdade o excesso de liberdade pode muitas vezes levar à escravidão. Era isto que estava acontecendo com os coríntios. Eles estavam advogando para si um tipo de liberdade que os colocava debaixo da servidão de práticas pecaminosas. Por este motivo o apóstolo diz pela segunda vez: “tudo me é lícito, mas eu não me deixarei dominar por nada”.

Em outras palavras, ele estava dizendo que realmente possuía autoridade para fazer todas as coisas. Porém, empregando o trocadilho, ele ressalta que não deixaria que nenhuma delas tivesse autoridade sobre ele.

O ensino desse versículo é muito claro. A verdadeira liberdade se configura apenas quando nenhuma das coisas sobre as quais temos autoridade exerça domínio sobre nós. Ser realmente livre não significa nunca estar sujeito às leis naturais e morais.

O pecado simplesmente transmite uma ideia ilusória e mentirosa de liberdade. A Bíblia claramente fala do pecado como um tipo de senhor que escraviza seus servos e os retribui com o salário de morte (Romanos 6:16). Além disso, a única maneira de não estar sob a servidão do pecado, é estando sob a servidão de Cristo.

Sobre essa questão, W. Hendriksen escreve que uma pessoa pode exercer a liberdade cristã livremente em todas as coisas, desde que isso ocorra em comunhão com Cristo. Esse entendimento deve reger nossa vida em todos os aspectos. Obviamente aqui também deve ser incluído os nossos apetites naturais. Se entendermos isto, realmente poderemos declarar de forma pessoal: “Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém”.

Deixe um comentário